CRIAÇÃO DA PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

Foi no pontificado do Papa Clemente XIV que o Bispo de Olinda - PE, Dom Francisco Xavier Aranha, criou canonicamente em 08 de dezembro de 1769, a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Campina Grande, desmembrada da Paróquia de Nossa Senhora dos Milagres (São João do Cariri). Neste período, a Paróquia foi evangelizada por Jesuítas, Franciscanos, Beneditinos e Carmelitas que se dispuseram a catequizar os índios Cariris e Ariús.

PRINCIPAIS VIGÁRIOS NO PERÍODO DE 1780 A 1962.

Os vigários daquela época não tinham interesse pela conservação das coisas antigas. Daí que o desaparecimento do 1.º livro de Tombo do Arquivo Paroquial prejudicou a ordem cronológica dos primeiros vigários, a não ser depois do Padre Luís Bezerra de Melo em diante.

PAÇO MUNICIPAL

Em 1877 foi erguido ao lado da Matriz um edifício chamado de ?Paço Municipal?, o qual foi demolido em 1942, no local hoje funciona o estacionamento da Matriz.

RECONSTRUÇÃO DA MATRIZ

A Matriz era uma Igreja humilde e, talvez, uma das menores da Diocese de Olinda. Desta feita, em 1885, iniciou-se uma reforma por iniciativa do Vigário Sales cuja conclusão se deu apenas dois anos mais tarde, em 1887.

AS TORRES DA MATRIZ

Uma das torres da Matriz tem a parte superior sem agulha e diferente da torre do outro lado, dando a impressão de ser uma construção inacabada. Registrou-se que esta torre sem agulha foi propositalmente construída para nela serem hasteadas as bandeiras da Imaculada e dos Santos.

TÍTULO DE PARÓQUIA INAMOVÍVEL

Por um decreto do Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Arcebispo Metropolitano Dom Moisés Coelho, datado de 16 de julho de 1941, foi a paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Campina Grande elevada à categoria de Paróquia Inamovível. Para ser melhor entendido, trata-se de um título de honra dado à Paróquia que confere a ela o direito de ser sécula insubstituível do grande corpo que é a Igreja, ou seja, esta Paróquia não pode deixar de existir como tal.