Hoje (03/08), precisamente às 10h, centenas de fiéis vindos de diversas paróquias da Diocese de Campina Grande e também pessoas de outros países, que estavam visitando nossa cidade, participaram da Celebração Eucarística, que assinalou o encerramento da visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima, em Campina, desde o último dia 15, presidida por Dom Jaime Vieira Rocha, Bispo Diocesano dessa cidade, e concelebrada pelos padres José Acírio de Medeiros, Antônio Apolinário e Márcio Henrique Mendes Fernandes, Administrador Paroquial da Catedral e Vigário Geral da Diocese de Campina Grande.

Foi uma semana abençoada, muitos foram os fiéis que veneraram a Virgem de Fátima, na Catedral, desde o dia 27 próximo passado.

A programação, na Catedral, constou de diversos momentos de evangelização: Carreata, Ofício Divino; Oração do Terço; Adoração ao Santíssimo: Catedral e Comunidade Pio X; Missas na Catedral e na Igreja do Carmo; Momentos com o Encontro de Casais com Cristo (ECC), com as Crianças, com o Terço dos Homens e, finalmente com os Crismandos.

Após essa semana de tantos pedidos e agradecimentos à Rainha da evangelização, Dom Jaime, na missa de encerramento, saudou os sacerdotes, seus irmãos no ministério, pelo dia do Padre (04/08) e agradeceu à Mãe de Jesus pela maravilhosa visita à nossa Diocese, 56 anos após a última visita.

Ainda na celebração, Dom Jaime fez este pronunciamento:

ATO DE CONFIANÇA E DE CONSAGRAÇÃO À NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

?A vossa proteção nós recorremos Santa Mãe de Deus?! Ao pronunciar estas palavras que a Igreja de Cristo reza há séculos, encontro-me hoje neste lugar escolhido por Vós, ó Mãe. Estou aqui, unido com todos os fiéis da Igreja do Senhor Jesus que está em Campina Grande, com os quais pelo vínculo do batismo constituímos o Corpo Místico de Cristo. No vínculo desta unidade, pronuncio as palavras deste Ato de Confiança e Consagração, no qual desejo incluir, uma vez mais, as esperanças e as angústias da nossa Diocese.

Hoje, tendo diante dos olhos as dolorosas experiências de miséria e injustiça do povo sofrido da nossa terra, confio e consagro ao Vosso Coração Imaculado toda a Diocese e especialmente os homens e mulheres, missionários e missionárias, sacerdotes, religiosos e religiosas, diáconos, seminaristas e vocacionados, jovens e crianças, idosos e enfermos, presidiários, pobres, marginalizados e esquecidos, gente do campo e da cidade, objeto particular do vosso amor e da vossa solicitude. Esta realidade de nossa gente também eu a tenho diante dos olhos, hoje, no momento em que desejo renovar a entrega e a consagração feita pelos meus Predecessores na Sé de Campina Grande.

A nossa Igreja Diocesana, lembrada das palavras do Senhor: ?Ide pelo mundo inteiro e evangelizai... e fazei discípulos meus todos os povos... Eis que eu estou convosco todos os dias, até ao fim do mundo? (Mt 28, 19-20), renova a consciência da sua missão neste mundo, nesta realidade em que vivemos. Por isso, ó Mãe Amável, Vós que ?conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças?, Vós que sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o nosso mundo, acolhei o nosso clamor que movidos pelo Espírito Santo, elevamos diretamente ao Vosso Coração, e acolhei com amor da Mãe esta nossa súplica, que Vos confiamos e consagramos cheios de inquietação pela sorte terrena e eterna do nosso povo. De modo especial Vos entregamos e consagramos todos aqueles, que desta entrega e desta consagração particularmente têm necessidade.

?A Vossa proteção nós recorremos Santa Mãe de Deus?! Não desprezeis a nossa súplica! Não a desprezeis, mas acolhei o nosso humilde ato de confiança e a nossa entrega! Em virtude desta consagração, todos nós, os discípulos do Senhor Jesus, somos chamados para um maior empenho missionário e evangelizador pela salvação do mundo, a participarmos de algum modo dos sofrimentos de Cristo em benefício do Seu Corpo, que é a Igreja.

Diante de Vós, Mãe de Cristo, diante de Vosso Coração Imaculado, desejo eu, hoje, juntamente com toda a Igreja Diocesana de Campina Grande, unir-me ao nosso Salvador e Redentor, que se consagrou ao Pai pelo mundo e pela humanidade. A força dessa consagração permanece por todos os tempos e abarca todos os homens, os povos e as nações, e supera todo o mal, que o espírito das trevas é capaz de despertar no coração do homem e na sua história, e que, de fato, despertou nos nossos tempos.

Mãe da Igreja mostrai ao Povo de Deus desta cidade e desta Diocese os caminhos da fé, da esperança e da caridade! Ajudai-nos a viver com toda a verdade da consagração de Cristo pela inteira família humana, no mundo contemporâneo. Ajudai-nos a vencer a ameaça do mal que tão facilmente se enraíza nos corações dos homens de hoje! Acolhei, ó Mãe de Cristo, este clamor carregado do sofrimento de todos os homens e mulheres desta terra! De todos aqueles que nos ouvem e rezam conosco neste momento.

Que se revele, uma vez mais, na história do mundo e na vida de cada um de nós, a força infinita do Amor Misericordioso de Deus! Que ele detenha o mal! Que ele transforme as consciências! Que ele manifeste a todos a luz da Esperança!

Quero dirigir-vos ainda uma oração especial, ó Mãe, que conheceis as ansiedades e as preocupações dos vossos filhos e filhas. Suplico e imploro a vossa intercessão pela paz e pela justiça. Suplico-vos, em particular, a bênção da compreensão e da harmonia em nossos lares e em nossas famílias. Dai-nos a graça de podermos construir uma sociedade sem violência e mais segura, que os nossos jovens não tenham suas vidas ceifadas de modo tão prematuro, e que os nossos idosos possam desfrutar com dignidade, afeto e segurança os dias de suas vidas. Que o povo fiel persevere no compromisso missionário e no testemunho do discipulado de Jesus Cristo na luta constante por um mundo mais justo, mais fraterno e mais feliz.

Rogai por nós Santa mãe de Deus!

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Após a Celebração, Pe. Márcio convidou aos presentes e àqueles distantes que estavam acompanhando pela Rádio Caturité, para participarem da Semana da Família fazendo os encontros nas casas seguindo a orientação do livro ?Hora da Família? (para os que o têm) ou mesmo rezando o Terço em Família.

Da Redação do Site