36ª Assembleia do Comina define prioridades para o Programa Missionário Nacional

A 36ª Assembleia do Conselho Missionário Nacional (Comina), realizada entre os dias 4 e 7 de abril, em Brasília (DF), apontou quatro prioridades para o Programa Missionário Nacional. Nesta semana, a direção do Comina continua reunida para concluir a redação do texto que será apresentado aos bispos na 57ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no próximo mês de maio.
Chegaram à assembleia do Comina 54 propostas de prioridades de atuação no campo da missão sugeridas pelos regionais da CNBB. A definição foi para quatro prioridades:
Formação Missionária
Missão ad gentes
Animação missionária
Compromisso profético social
Para cada prioridade, foram propostos, ainda três projetos que devem contribuir para que em toda a Igreja no Brasil perpassem a missão e a missionariedade, não só nas instâncias que lidam especificamente com a missão.
A assembleia contou com a presença de membros dos diversos conselhos missionários, organizações de leigos, institutos de vida religiosa, entre outros eclesiais, num total de 64 pessoas de todos os 18 regionais da CNBB.
“Após aprovado, o programa deve oferecer estas pistas de ação e os regionais vão poder realizar de acordo com sua realidade”, explica o bispo auxiliar de São Luís (MA) e presidente da Comissão para a Ação Missionária da CNBB, dom Esmeraldo Barreto de Farias. O desejo de é que a Igreja no Brasil “possa ser mais missionária e, caminhando juntos, vivendo este grande espírito missionário, nós possamos ajudar a construir um Brasil que seja justo, pacífico e fraterno”.
CNBB

Padre brasileiro Donizetti Tavares será beatificado após milagre reconhecido pelo papa
Na audiência ao prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu, no último sábado, o papa Francisco reconheceu o milagre por intercessão do venerável servo de Deus padre Donizetti Tavares de Lima que será beatificado, e as virtudes heróicas dos servos de deus frei Damião de Bozzano e do leigo Nelson Santana. Durante o encontro, o Santo Padre autorizou a promulgação de alguns decretos, reconhecendo o milagre por intercessão do venerável servo de Deus padre Donizetti Tavares de Lima que será beatificado.
O sacerdote diocesano brasileiro nasceu em 3 de janeiro de 1882, em Cássia (MG), e faleceu em 16 de junho de 1961, em Tambaú (SP). Padre Donizetti espalhou por Tambaú diversas obras sociais, dentre as quais a fundação do asilo São Vicente de Paulo e da Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Tambaú. Criou também a Congregação Mariana, a Irmandade das Filhas de Maria e o Círculo Operário Tambauense.
Exerceu seu sacerdócio como Jesus, a serviço dos pobres, dos marginalizados e doentes. Viveu de maneira simples e humilde, sempre à disposição do povo. Ainda hoje em Tambaú as suas obras sociais continuam sendo testemunhas de seu zelo social. Tinha grande devoção a Nossa Senhora Aparecida. Em sua época, contam-se vários sinais milagrosos da multidão que ia a Tambaú para receber a bênção do padre Donizetti.
Nelsinho Santana, menino de grande fé

Francisco reconheceu as virtudes heroicas do Servo de Deus Nelson Santana que torna-se Venerável. Leigo, brasileiro de Ibitinga (SP), Nelson nasceu 31 de julho de 1955, e morreu em Araraquara (SP), em 24 de dezembro de 1964., na vigília de Natal. Nelsinho, como era conhecido, era um garoto que tinha câncer no braço. Entre os 7-8 anos, ele sofreu uma queda, provocando um ferimento no ombro esquerdo que começou a se complicar. Seu braço esquerdo foi amputado. Dos 7 aos 9 anos praticamente morou no hospital e fez lá a sua primeira comunhão. Ele mesmo anunciou a sua morte previamente. O lugar onde Nelsinho foi enterrado, com o passar do tempo, tornou-se alvo de muitas visitas por graças alcanças atribuídas a ele.
Frei Damião de Bozzano e as Santas Missões
Francisco também reconheceu as virtudes heroicas do Servo de Deus frei Damião de Bozzano, no século Pio Giannotti, sacerdote professo da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Ele agora torna-se Venerável. O frade capuchinho nasceu em Bozzano, na Itália, em 5 de novembro de 1898 e morreu em Recife, no Brasil, em 31 maio de 1997.
Frei Damião chegou ao Brasil, em 1931, e radicou-se em Recife. Dedicou-se às populações mais pobres do país e às Santas Missões durante os seus 66 anos de vida religiosa. As Santas Missões eram um tempo forte de graça e conversão. A cidade parava para ouvir e celebrar a Palavra de Deus proclamada por Frei Damião. Durante a semana da Missão havia encontros específicos com homens, mulheres, jovens, catequese para as crianças, visitas aos doentes e encarcerados.
A Missão começava geralmente na segunda-feira e encerrava-se no domingo com a procissão dos motoristas e a bênção dos automóveis pela manhã, e à noite, o grande sermão com os últimos conselhos do missionário.
Outros cinco novos Veneráveis

O Pontífice reconheceu as virtudes heroicas do Servo de Deus Carlo Cavina, sacerdote diocesano, fundador da Congregação das Filhas de São Francisco de Sales. Nasceu em Castel Bolognese, na Itália, em 29 de agosto de 1820 e morreu em 15 de setembro de 1880 em Lugo (Itália).
O Papa também reconheceu as virtudes heroicas do Servo de Deus Raffaele de Sant’Elia a Pianisi, no século Domenico Petruccelli, sacerdote professo da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Nasceu em Sant’Elia a Pianisi, na Itália, em 14 de dezembro de 1816 e ali faleceu em 6 deReconheceu também as virtudes heroicas do Servo de Deus Vittorino Nymphas Arnaud Pagés, no século Agostino, irmão professo do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs. Nasceu em Onzillon, na França, em 7 de setembro de 1885 e morreu em San Juan de Puerto Rico (Porto Rico), em 16 de abril de 1966.
O Papa também reconheceu as virtudes heroicas da Serva de Deus Consolata Betrone, no século Pierina Lorenzina Giovanna, monja professa das Clarissas Capuchinhas. Nasceu em Saluzzo, na Itália), em 6 de abril de 1903, e morreu em Moriondo (Itália), em 18 de julho de 1946.
Por fim, o Sant oPadre reconheceu as virtudes heroicas da Serva de Deus Gaetana Tolomeo, conhecida como “Nuccia”, leiga nascida em Catanzaro, Itália, em 10 de abril de 1936 e falecida ali em 24 de janeiro de 1997.
Com informações do Vatican News. janeiro de 1901.
CNBB

Dia Mundial da Saúde e a luta por uma saúde universal para todos e todas
“Saúde universal: para todas e todos, em todos os lugares” foi o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para celebrar o Dia Mundial da Saúde comemorado neste 7 de abril.
De acordo com a OMS, a saúde universal requer o envolvimento de todos os setores da sociedade para combater a pobreza, a injustiça social, as lacunas educacionais e as condições precárias de vida, entre outros fatores que influenciam a saúde das pessoas.
Aqui no Brasil, a saúde pública vem enfrentando muitos desafios, sofrendo com uma falta de tudo o que acarreta um atendimento precário e bem na contração do que propõe o conceito de saúde universal da OMS que é garantir que todas as pessoas tenham acesso, sem discriminação, a serviços integrais de qualidade, sem enfrentar dificuldades financeiras.
Além disso, a proposta da OMS visa garantir que todos estejam cobertos, mas que todos tenham acesso a cuidados quando precisarem, onde quer que estejam, o que não acontece na maioria das vezes na rede pública do país.

Dom Roberto Ferrería Paz.
O Bispo de Campos (RJ) e referencial da Pastoral da Saúde da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Roberto Ferrería Paz, diz que o caos na saúde pública no Brasil se deve ao descumprimento da Constituição Federal que prevê a receita e financiamento determinado para garantir o direito da população à saúde.
“A desvinculação e o desatrelamento a esta norma maior leva ao SUS ao colapso operacional. As políticas públicas na saúde são fundamentais para reverter está tendência neoliberal e privatizante. A solução passa pela mobilização do povo em defesa do SUS como foi o movimento sanitarista e as forças sociais que o conceberam e o implementaram”.
Neste caminho de garantia de uma saúde pública de qualidade para todos está o trabalho desenvolvido pela Pastoral da Saúde Nacional que obedece três dimensões: a da assistência solidária com a pastoral hospitalar, depois a dimensão de comunidade, propiciando campanhas e uma medicina mais preventiva. Um terceiro ponto é a luta pelas políticas públicas de saúde.
O coordenador nacional da Pastoral da Saúde, Alex Mota, explica que a pastoral vem sensibilizando coordenadores e agentes, para que os mesmos se tornem multiplicadores na busca por melhorias que garantam atendimento digno.
“O trabalho é levar informação para a população das comunidades nas quais eles atuam, sobre a necessidade de incentivar as pastorais, comunidades cristãs, associações religiosas e movimentos eclesiais com ações que levem as resoluções de problemas sociais no processo de reformulação das Políticas Públicas numa ação conjunta em defesa do SUS”, relata.
“A saúde é um dom de Deus, uma construção social, ambiental e espiritual não na ausência de doença, mas na plenitude e inteireza humana”, finaliza dom Roberto Ferrería Paz
CNBB