Os santos inocentes proclamaram Jesus Cristo

Introdução

Desde o início do cristianismo a festa dos santos inocentes associou-se ao nascimento de Jesus, à encarnação do Verbo de Deus na realidade humana. Os padres da Igreja diziam que pelo fato de não falarem, proclamaram a fé em Cristo Jesus, sendo as suas dignas testemunhas, já que o martírio é um testemunho a Cristo Jesus. Lá pelo século V a festa foi fixada no dia 28 de dezembro, primeiro na África, em seguida em Roma e depois em toda a Igreja. Vejamos a seguir homilias de alguns padres da Igreja, os primeiros escritores cristãos que falaram dos santos inocentes afirmando a realidade do sangue derramado como testemunho do amor deles a Jesus Cristo, o mártir dos mártires.

1.Martírio das crianças

São Cipriano(Carta 58, 6.10), Bispo de Cartago, no século III, disse que ao nascimento de Jesus Cristo na realidade humana teve também início ao martírio das crianças abaixo de dois anos(cfr. Mt 2,16-18). A idade que ainda não fora adaptada à luta pela vida, a foi pela coroa. Foram mortas pelo nome de Cristo Jesus as crianças inocentes, resultando de uma forma clara que morreram por causa de Cristo. O fato é que o Senhor, sem ter pecado, sofreu por nós. O Filho de Deus sofreu para fazer de nós filhos de Deus.

O bispo de Cartago tinha presentes a vida presente e a futura. Grande será a alegria de cada um de nós, a honra de participar à salvação dada por Deus, junto com os patriarcas, os profetas, os apóstolos, e todos os mártires participando dessa forma da imortalidade do dom de Deus para todos os justos e as justas, as pessoas que realizaram o bem, o amor.

1.O sangue dos mártires

Santo Hilário, Bispo de Poitiers, século IV teve presente também a fuga de José, Maria e do menino Jesus para o Egito indo na terra na qual o povo de Israel foi escravizado e libertado pela mão forte do Senhor e de Moisés, o seu colaborador. Hilário afirma que Belém, isto é a Judéia foi inundada de sangue dos mártires de inocentes. O furor do rei Herodes será a imagem dos cristãos perseguidos pelo nome de Cristo na fé professada. No entanto, uma gloriosa honra deu-se pelo massacre proveniente do profeta quando diz: Raquel chora os seus filhos, recusa ser consolada, porque não existem mais(cfr. Jr 31,15; Mt 2,18).

1.Os inocentes proclamam Cristo Jesus

Quodvultdeus, Bispo de Cartago, no século V interpretou as palavras do evangelista Mateus(cfr. Mt 2,18 ) no sentido da doação de vida das crianças que sendo inocentes proclamaram Cristo Jesus. O grande Rei do Universo tornou-se pequenino. Os reis magos chegaram de longe para o adorar de modo que o nascimento de um Rei na humanidade perturbou um rei humano, Herodes. Ele ficou angustiado, bem como toda a Jerusalém. Ainda que dissesse aos magos que iria adorar também o recém-nascido, na realidade queria matar o novo rei com medo de que o Senhor iria lhe pegar o seu lugar. Mas Jesus virá não pelo poder, mas pelo serviço e pelo amor.

1.O temor de Herodes

O Bispo levanta uma pergunta: Por que o temor tomou a sua conta, Herodes ao saber que nasceu um Rei? Ele não virá para mandar-te embora, mas para expulsar o mal, o demônio, o pecado nas pessoas. Como essas coisas não entraram na inteligência do rei Herodes, enfureceu-se a tal ponto de não só perder o menino, mas possuiu a crueldade de matar tantos outros meninos. Para o rei Herodes não teve importância o amor materno das mães derramando as suas lágrimas, nem o luto dos pais pela morte de seus crianças, nem os seus próprios gritos e gemidos. Ainda que os seus propósitos foram realizados, a concretização dos mesmos era a eliminação do autor da Vida.

1.A morte dos inocentes ligado a Cristo Jesus

Quodvultdeus afirma ainda que o menino pequenino, deitado na manjedoura, fez tremer o trono do rei. O Rei dos reis agirá não pelo poder, pela eliminação da vida de pessoas inocentes, mas para libertar as almas do cativeiro do demônio. As crianças inocentes não souberam que morreram por Cristo, no entanto os pais choraram a morte dos mártires, os seus filhos. Ainda que não soubessem falar, mas Cristo fez delas suas dignas testemunhas. Será dessa forma que o Senhor reinará a partir dos corações, e do amor dado em abundância. Eis que o Libertador liberta as pessoas de suas escravidões, depressões, sendo ao mesmo tempo Salvador de todos para conceder-lhes a graça da salvação.

1.A vitória sobre a morte em Cristo

Ó graça imensa que foi derramada sobre todos. O Bispo Quodvultdeus falou em méritos das crianças que obtiveram a vitória sobre a morte. A verdade é que ainda que os inocentes não falem mas eles já proclamam o Cristo Senhor. Não tem como servir-se de seus membros para enfrentar as lutas e os problemas, os desafios, mas já ostentam a palma da vitória, do martírio. Eles se tornaram mártires verdadeiros, os santos inocentes.

Conclusão

Os santos inocentes são celebrados como primícias dos mártires. Ainda na inocência eles derramaram o seu sangue por amor a Jesus Cristo. A festa dos santos mártires liga-se à encarnação de Jesus Cristo que não foi acolhida entre os seus. Ainda hoje o Reino de Deus sofre violência. O sangue dos mártires é semente de novos cristãos, dizia Tertuliano, padre africano do II e III séculos. Muitas pessoas são mortas pela causa de Jesus Cristo e de seu Reino. Os santos inocentes continuam a falar pela vida de muitas pessoas não só pelas palavras, mas pelo sangue pois doam as suas vidas pelo Senhor Jesus e pela sua Igreja.

CNBB